Esta coluna trata não só dos aspectos negativos dos riscos (perdas, ameaças ao sucesso), mas também de seus aspectos positivos (ganhos, oportunidades de benefícios).

 

 A Gestão de Riscos no Século XXI 

Edição 02/2003

                                                                                                               

Terminologia internacional conforme ISO Guide 73

Probabilidade
(probability)
grau de possibilidade de que 
um evento ocorra.

Nota 1 - A ISO 3534-1:1993 define probabilidade como "número real na escala de 0 a 1 vinculado a um evento aleatório. Pode se referir à freqüência relativa de ocorrência a longo prazo ou ao grau de confiança de que um evento irá ocorrer. Para um alto grau de confiança, a probabilidade se aproxima de 1".
Nota 2 - Pode-se usar a freqüência em lugar da probabilidade na descrição de risco.
Nota 3 - O grau de confiança em relação à probabilidade pode ser selecionado de classes ou categorias como:
- rara/improvável/moderada/
provável/quase certa; ou
- impossível/improvável/remota/
ocasional/provável/freqüente.


E
vento (event)
ocorrência de um conjunto específico de circunstâncias.

Nota 1 - O evento pode ser certo ou incerto.
Nota 2 - O evento pode ser uma única ocorrência ou uma série de ocorrências.
Nota 3 - A probabilidade associada ao evento pode ser estimada para um dado período de tempo.

 

Dos riscos "negativos" aos riscos "positivos" 

Embora o conceito de risco esteja ainda bastante associado a perigos e impactos negativos, cresce rapidamente a sua utilização como "exposição a conseqüências da incerteza", sendo cada vez mais aplicado tanto ao gerenciamento de perdas como ao de ganhos potenciais.

Nestes últimos anos, a Gestão de Riscos, de maneira geral, tem buscado alcançar o adequado balanceamento entre aproveitar as oportunidades de ganho e minimizar os impactos adversos. A "nova" GR é parte integrante das boas práticas de gestão empresarial e é um elemento essencial da chamada Governança Corporativa. É desenvolvida como um processo iterativo, composto de etapas seqüenciais, de modo a permitir a melhoria contínua da tomada de decisões e do desempenho da organização.

Hoje, a Gestão de Riscos envolve o estabelecimento de uma cultura e infra-estrutura adequadas, bem como a aplicação de uma metodologia lógica e sistemática para administrar os riscos "negativos" (de perdas) e os riscos "positivos" (de ganhos), associados a qualquer atividade, função ou processo.

Para ser eficaz, a GR deve estar "incrustada" na cultura da organização, nas suas práticas e em seus processos de negócio. Não deve ser vista ou praticada como uma atividade separada.

Vários são os exemplos de métodos e técnicas, novos e consagrados, que podem ser utilizados nesse contexto atual da Gestão de Riscos. Para dar uma idéia a vocês, vou relacionar a seguir alguns deles, classificados de acordo com o seu uso mais freqüente:

Técnicas de identificação de riscos

Técnicas e métodos de análise de riscos 

 
  • Brainstorning
  • Questionários
  • Benchmarking
  • Análise de cenários
  • Reuniões de avaliação de riscos
  • Investigação de incidentes
  • Auditoria e inspeção
  • HAZOP


Riscos "positivos"

  • Pesquisas de mercado
  • Testes de marketing
  • Pesquisa & Desenvolvimento
  • Análise de impactos do negócio

Riscos "negativos"

  • Análise de ameaças
  • Análise de Árvores de Falhas
  • FMEA

Ambos

  • Análise de Árvores de Eventos
  • Planejamento da continuidade do negócio
  • Inferências estatísticas
  • Medidas de tendência central e dispersão

Nas próximas edições, vou explorar essas técnicas e métodos e as inúmeras aplicações da GR atual.

Técnica de Incidentes Críticos

Este foi um dos primeiros textos que escrevi, em 1978. Nele detalho uma das primeiras aplicações da TIC, na área de Segurança do Trabalho, cujo desenvolvimento pode, também, ser direcionado à identificação de qualquer tipo de fato gerador que queiramos estudar. Para acessar o texto na íntegra clique aqui.

Para os que lêem em inglês

Recomendo este outro artigo de H. Felix Kloman:
Using Scenarios
.


Leia todas as edições da coluna Risk Management

Conheça aqui um pouco da minha carreira e história.

 

 

Sabedoria & Humor

Murphologia aplicada à Informática
Uma boa razão pela qual os computadores podem trabalhar mais do que as pessoas é que eles nunca têm de parar o que estão fazendo para atender o telefone.
A chance de um computador dar pau é diretamente proporcional à importância do documento no qual você está trabalhando.
A probabilidade de um HD ter todos os dados perdidos aumenta em proporção direta ao tempo decorrido desde que foi feito o último backup dele.
Aquele único arquivo que você esqueceu de passar pelo antivírus fatalmente estará contaminado com o pior vírus. 

A História do Risco

Passagens do livro "Desafio aos Deuses - A Fascinante História do Risco". Leia este trecho: O berço dos seguros.

Manuais sobre Gestão de Riscos

GESTÃO DE RISCOS
AS/NZS 4360:  a primeira norma de âmbito mundial sobre Sistemas de Gestão de Riscos.

TECNOLOGIAS CONSAGRADAS DE GESTÃO DE RISCOS
Reprint da coletânea "Técnicas Modernas de Gerência de Riscos“ e do livro "Introdução à Engenharia de Segurança de Sistemas".

Veja aqui...

Untitled